terça-feira, 31 de maio de 2011

Amei ser mulher de malandro

Tudo começou quando meu marido foi transferido para o RJ.
Estávamos casados a 4 anos e temos uma linda filha de 4 anos.
Somos de SP ele estava com 27 anos e ia melhorar muito nossa vida financeira eu estava com 25 anos não trabalhava apenas cuidava de nossa filha e da casa sou loira cabelos lisos pouco abaixo do ombro 1,70m de altura seios médios para grande modéstia a parte são lindos bumbum arrebitados coxas roliças e grossas pele clarinha rosto lindo com nariz arrebitado e lábios carnudos sempre chamei muito atenção dos homens que despertava ciúmes de meu marido meu marido foi o primeiro e único homem de minha vida ele é apaixonado por mim eu o amava muito e nossa filhinha é maravilhosa.
Até para economizar dinheiro fomos morar num apto humilde bem afastado do centro do rio a empresa fica na zona sul isso obrigava meu marido a acordar muito cedo, pois tinha que ir de ônibus para economizar. Ele preferia deixar o carro comigo, pois eu tinha que levar nossa filha para escola em tempo integral, ou seja, eu ficava o dia inteiro sozinha no nosso prédio.
Um dia conheci Julia era morena 24 anos simpática fomos ficando muito amigas ela era bem carioca muito extrovertida trabalhava a noite num hospital falei de minha vida para ela do meu marido de minha filhinha que me sentia muito sozinha antes de conhece lá ela me disse que tinha marido mas ele estava preso num presídio perto de onde morávamos me espantei ela mostrou uma foto dele o que me chamou atenção foi um homem que estava junto na foto negro com cara de mau e muito feio.
Julia me disse que ele se chamava Jorge (Jorjão) era amigo de seu marido e estava preso junto com ele disse que ate os outros presos tinham medo dele, pois ele era muito violento me despedi e fui pro meu apartamento.
Os dias foram passando e aquela historia de Julia ser casada com um presidiário me deixava muito curiosa, vira e mexe eu sempre perguntava alguma coisa para ela e sempre dava um jeito de ver aquela foto com aquele bandido preto que não me saia da cabeça perguntei a Julia como ela fazia para satisfazer seu homem ela disse que tinha duas visitas por semana quarta e domingo no fundo do pátio havia vários quartinhos pequenos com uma janelinha que entrava claridade e um colchão que ficava no chão dependendo do casal dava para ouvir os urros de prazer ela achava muito excitante.
Perguntei não sei por que se o Jorjão recebia visitas intima ela disse que ele não tinha mulher, mas como mandava no presídio ele conseguia prostitutas para satisfazê-lo disse que seu marido também tinha muitas regalias por ser amigo do Jorjão aquilo me deixou excitada.
Ela percebeu e disse que qualquer dia me levaria com ela para conhecer o Jorge levei na brincadeira, a noite na cama aquele negro não me saia da cabeça eu uma mulher casada de família nas mãos daquele bandido isso virou rotina todas as noites eu sonhava com Jorge me possuindo me tornando sua mulher na cadeia não estava me reconhecendo.
Sou uma mulher casada amo meu marido nunca sonhei em traí-lo ele não merecia isso .
Certo dia Julia me convidou para acompanhá-la no presídio para visitar seu homem disse que não iria, mas antes que ela terminasse, abriu o jogo e disse que fazia tempo que estava me observando que vira e mexe eu perguntava do Jorge era a oportunidade de conhecê-lo confessei que não entendia o que estava acontecendo comigo não tirava aquele homem da cabeça amo meu marido não posso ir ele não merece isso Julia era muito maliciosa disse que eu não me deveria sentir culpada muitas mulheres tinham atração por detentos homens violentos que realizariam as fantasias mais ocultas de mulheres decentes.
Você vai comigo sim não precisa acontecer nada só conversar com Jorjão é o jeito mais fácil de você exorciza esses pensamentos, ela tanto falou que me convenceu a ir sou casada e não vou trair meu marido só estou curiosa respondi a ela amanha vou com você para tirar essa loucura da cabeça.
À noite fiquei me debatendo na cama um mistura de medo e excitação povoou minha cabeça tinha medo do que pudesse acontecer se meu marido soubesse. E se aquele bandido me agarrasse estrupasse porem a excitação foi maior e resolvi encarar.
No dia seguinte próximo ao horário de irmos comecei a me aprontar coloquei um vestido discreto ate os joelhos com um decote também discreto, mas com meus seios são esbeltos, não tinha roupa que deixassem eles comportados, por baixo um sutiã e um micro tanguinha. Depois que fomos para o RJ eu não conseguia usar outra coisa.
No horário marcado seguimos para visitá-lo chegando Julia me identificou como companheira do Jorge. Olhei assustada para ela que me tranqüilizou isso é necessário para você poder entrar.
Nesse dia estava chovendo um pouco por isso tinha poucas visitas entramos no pátio logo veio um mulato em nossa direção Julia deu lhe um abraço e um beijo demorado e percebi que era seu marido conversamos um pouco ele nos levou para o fundo do pátio Julia falou baixinho no seu ouvido então ele acenou para um homem que veio em nossa direção minhas pernas tremeram era o Jorjão sem camisa de bermuda e chinelo fui, apresentada a ele que me deu um olhar fulminante que me arrepiou toda deveria ter 1,80m magro preto como carvão tinha 34 anos ele não parava de me olhar sua presença era assustadora.
Sentamos nos bancos próximos as celas e ficamos conversando amenidades, derrepente Julia e seu homem levantam-se, ela diz a mim que ia pro quartinho com seu marido e pra mim ficar fazendo companhia pro jorjão.
Olhei assustada para ela que sorriu maliciosamente e foi embora pensei ela me paga. Ficamos só nos dois no pátio quase vazio. Jorge começou a me elogiar e percebeu meu nervosismo, sentada meu vestido subia e deixava minhas belas coxas a mostra ele falou que eu era muito bonita e gostosa e o que será que eu estava procurando naquele lugar agradeci e procurei não incentivá-lo.
Disse lhe que era bem casada tinha uma filha maravilhosa ele colocou a mão na minha coxa apertou tentei tira lá, mas não consegui, ele começou a me dizer coisas que me enlouqueceram, você é gostosa pra caralho precisa de um macho de verdade acho que o teu maridinho não da conta do recado putinha.
Nesse instante os bicos dos meus seios ficaram durinhos ele chegou mais perto encostando seu corpo no meu, e me abraçou pedi que parasse sou casada ele grosseiramente me mandou calar a boca.
Você precisa de um macho que te domine não um frouxo do teu maridinho soltei um gemido quando ele falou isso ia ele começou a lamber minha orelha passou para o pescoço deu um chupada que me levou a loucura meus olhos fecharam minha respiração ficou ofegante era a primeira vez que um homem fazia aquilo depois de casada não tive forças e me entreguei a ele.
Ele passou a acariciar meus seios e com uma das mãos chegou a minha boceta, já toda melada. Lambuzou o dedo e tirou para me mostrar com eu estava molhada ele pegou minha mão e me puxou para um quartinho mal cabiam nos dois tinha um colchão sem lençol e nada mais uma janelinha que entrava luminosidade aquilo me deixou mais excitada.
Ainda ele era rude comigo um pouco violento me tratava com severidade e eu estava adorando tirou minhas roupas com raiva despiu rapidamente deixando amostra um cacete enorme preto cheio de veias com uma cabeça enorme muito maior do que o do meu marido passou a chupar meus seios com energia são meu ponto fraco.
Mandou eu me ajoelhar dominada obedeci passou a roçar o cacete em meu rosto ficou me chamando de puta vadia vai ser a mulher do negão diz que seu marido é corno, fora de mim eu só obedecia. Ele é corno meu marido é chifrudo!!!
Ele pegou meus cabelos loiros com violência e forçou minha cabeça em direção a seu mastro fiz menção de colocar na boca e ele puxou meu cabelo fazendo eu recuar disse para eu cheirar fiz era um cheiro muito forte salgado delicioso sente o cheiro do teu novo macho minha putinha.
Mandou-me eu passar a língua na cabeça enorme. Eu passava a língua arrancando urros de prazer do negão. Do orifício jorrava um liquido, mas eu não me importei ele num movimento rápido e brusco, forçou minha cabeça para frente me fazendo engolir aquela monstruosidade ate a garganta comecei mamar gostoso no meu homem não demorou muito sem aviso ele inundou minha boca com jatos de porra era tanto que engoli um bocado escorria pelos cantos da minha boca e nisso ele voltou a segurar minha cabeça evitando que eu tirasse o cacete da boca continuei engolindo era abundante e nojento eu nunca tinha chupado ate o gozo ele movimentava para frente e para trás o que melecou todo o meu rosto depois de despejar todo o seu gozo.
Pegou meu cabelo e puxou para que eu levantasse e passou a lamber meu rosto como um animal estava tão excitada que tive meu primeiro gozo. Me lambia deliciosamente derrepente ele me empurrou e eu cai de costas no colchão ele ordenou que eu ficasse de quatro e abrisse bem as pernas obedeci.
Ele passou a chupar vorazmente minha buceta enfiava a língua bem no fundo e dava mordidinhas deliciosas em minha vulva, sabia dar prazer a uma mulher isso me levou ao segundo gozo da minha vida.
Ele meteu em mim de uma vez só.
Doeu muito. Eu gritava de prazer.
E ele perguntava: De quem você é? Sou sua puta meu negão.
O que seu marido é? Viado, é corno e bundão!!!
Minha moralidade foi pro espaço comecei a rebolar ele urrava de prazer puxava meus cabelos.
Você é mulher de quem?
Eu aos choros soluçando dizia: Sou sua mulher Jorge minha paixão.
Ele agarrou meus seios beijou minha nuca deu uma estocada que senti no utero gritou como um animal tinha gozado me levando a gozar junto. Encheu minha boceta de esperma e ficava dando pequenas estocadas que senti no utero um ruido gostoso em minha boceta encharcada. Tirou o pau pra fora e eu fui lamber aquele caralho todo lambuzado estava alucinada dominada.
Arrumamos-nos e quando me preparava para sair e ir encontrar minha amiga ele pegou em meu braço e ordenou que a partir desse dia eu seria sua mulher vindo toda semana satisfazê-lo e trazer comida para ele, comprar roupas e algum dinheiro pra ele se virar na cadeia.
Disse a ele, sou casada tenho família. Ele me segurou com violência e disse não interessa sua família, você agora é minha mulher. Mulher de bandido é disso que você gosta. Deu-me um beijo na boca, e não se esquece de me trazer cigarros e comidas gostosa sai de lá desnorteada encontrei Julia na saída e fomos embora.
Chorei muito aquele dia por ter feito isso com meu marido e minha filhinha, mas eu me sentia estranha, sentia mulher de verdade pensava em Jorge o tempo todo. Abri-me com Julia, ela disse estou dependente dele virei mulher de malandro tive que admitir que estava apaixonada pelo negão.
Ele me realizava por completo. Julia passou a ser minha companheira de visitas a cadeia. Fazemos compras fazemos comidas para os nossos machos tenho pena do meu marido, mas não quero parar isso.
Mas no começo de 2004 cheguei a engravidar do Jorjão, pois a excitação era tanta que nem se lembrava de usar camisinha, mas perdi a criança antes de alguém pudesse notar.
Veja o video que mostra isso: http://www.redtube.com/12037

Nenhum comentário:

Postar um comentário