terça-feira, 31 de maio de 2011

Chifrei após 30 Anos de Casada!

Sou uma verdadeira dama da sociedade baiana. Médica, 55 anos, casada com um homem maravilhoso, executivo de uma grande empresa, mãe de 2 filhas lindas e dois netos que são a minha felicidade. Sou branca, cabelos loiros, cortados à altura do ombro, olhos azuis, com 1,65m de altura e 53Kg, bumbum bem feito, pernas bem torneadas, por muitos anos de academia, seios médios e duros, mantidos por duas cirurgias plásticas (ninguém é de ferro).
O que vou relatar aqui aconteceu no início de 2007, logo após o retorno da minha viagem à Europa, para comemorar os meus 30 anos de casada. Sempre fui bem resolvida na cama, meu marido sempre me deu prazer, além de mantermos uma vida sexual ativa, mesmo depois desse longo tempo de relacionamento. Nunca havia transado com outro homem até então. Outro pênis? Só conhecia da minha vida profissional, a qual não poderei revelar a especialidade.
Uma bela tarde, entrando na sala de bate-papo da UOL, como já faço há anos, relatava para algumas amigas a minha viagem de aniversário de casamento. Já era um hábito meu, desde que comecei a navegar, entrar na sala para maiores de 50 anos, apenas para conhecer pessoas novas e sem nenhuma outra intenção. De repente, recebo uma mensagem reservada do Gato Bom34, perguntando: "estaria ocupada para teclar com um homem carinhoso, inteligente e educado?". Eu achei interessante o convite, afinal, homem educado e inteligente é o que falta nessas salas. Sendo assim, respondi que estava disponível e começamos a papear. Apesar de jovem (ele tinha 34 anos), notei que se tratava de um homem maduro, culto e muito simpático. Fui me deixando levar pelo papo, até acabarmos no MSN. Quando vi sua foto, não nego, achei a coisa mais fofa do mundo! Algo estranho mexeu com minha libido. Ele estava numa sunguinha preta (linda), pele bronzeada, sorriso safado e uma carinha de bebê linda. O corpinho todo no lugar, sem uma mísera barriguinha, apesar de não ser do tipo malhado. Ele, ao ver minha foto, me elogiou, dizendo que tinha me achado uma gata! Agradeci e retribuí o elogio. Falávamos de relacionamento pessoal, quando ele soltou a pergunta: "você sempre foi fiel nesses 30 anos?". Respondi que sim, e ele emendou: "nunca teve vontade de experimentar outro homem?". De repente, vendo aquelas fotos daquele jovem lindo passando nos meus olhos, respondi: "vontade estou tendo agora, mas não vai passar disso!”
O papo foi esquentando e pedi para ligarmos nossas câmeras. Ele ligou, e vi aquele rapaz mais belo que a foto, com um sorriso de enfeitiçar qualquer mulher séria, sem camisa diante de mim. Na hora fiquei toda molhada, afinal, o papo já havia esquentado e ele me contava como dava um banho de língua em uma mulher. Pedi para que ele ficasse em pé (eu já estava completamente inebriada pela situação), ao que ele levanta e me deparo com um corpo lindo completamente nu! Quase caio pra trás! Num primeiro instante, tive a reação de deletá-lo, mas logo percebi que estava mais molhada ainda. Vi aquele homem lindo com um membro de espantar qualquer uma: ENORME! A bunda e coxas perfeitas, encaixadas em um corpo de 1,78 e 74Kg. Não agüentei, comecei a me masturbar vendo aquele rapaz em minha frente, fazendo o mesmo. Eu estava fora de mim, nunca havia feito aquilo pela internet! De repente, ele avisou que a esposa chegara e que precisava desligar. Deixou o número do celular e pediu para que eu ligasse, caso quisesse encontrá-lo no outro dia.
Fiquei completamente fora de controle com a situação. Passei a noite em claro, só imaginando aquele homem jovem, lindo, com aquele membro descomunal, fazendo amor comigo. Queria tirar esses pensamentos da minha cabeça, mas foi em vão. No outro dia, não apareci no consultório à tarde e resolvi ligar para o meu Gato Bom, afinal, ele não me dissera o seu nome. Liguei e contei que queria encontrá-lo pessoalmente. Marcamos no estacionamento de um shopping aqui de Salvador. Quando entrei no carro dele, saímos apressadamente. Eu estava espantada comigo mesma, num carro de um estranho, tendo pensamentos libidinosos que até então nunca tinha tido. Ele sorrindo com aquela carinha safada, acariciou minha mão que estava gelada e foi me acalmando dizendo: "a primeira vez é assim mesmo". Fui me acalmando e perguntei para onde iríamos. Ele me respondeu na lata: "para um motel, é o lugar mais seguro". Disse que não, que não queria (mentira minha, tava doida pra ir), ele sorrindo tranquilamente me disse, tirando aquela coisa enorme de dentro da calça: "segura ele que você se acalma". Quando meti a mão não acreditei! Era maior que na webcam! Devia ter uns 23 cm de pau, a cabeça roxa enorme, brilhava, com veias salientes. A espessura dava mal para envolvê-lo com minha mão. Não resisti: cai de boca, chupando aquela coisa enorme, deliciosa. A essa altura, estava completamente louca, desejando aquele macho dentro de mim, em qualquer lugar, até no meio da rua se ele parasse. Entramos no quarto do motel.
Ao chegar lá, ele me sentou em cima da mesa e me deu um beijo de língua fantástico, quase gozei só de sentir sua língua sugando a minha, delicadamente, mas firme. Senti nele, o que a juventude de hoje chama de pegada! Tava louca de desejo querendo ser comida ali mesmo. Ele foi calmamente me despindo, sem pressa, ao mesmo tempo em que ía me chupando toda. Deixou-me completamente nua! Minha calcinha estava totalmente melada com aquele banho do língua maravilhoso: ele começou nos dedos das minhas mãos e foi até os dedos dos pés, retornou, subindo por minhas coxas, até minha chegar na minha xana que pulsava naquele momento de tanto tesão. Ele tranquilamente despiu-se e começou a me chupar: o melhor sexo oral em 30 anos de vida sexual! Eu gozava feito uma louca naquela boca gostosa. Era uma sensação fantástica, o malabarismo que ele fazia com a língua em minha boceta. Na mesma hora o implorei para me penetrar sem camisinha, queria sentir tudo aquilo dentro de mim, sem nada empatando. Ele reagiu negativamente, dizendo que nunca tinha feito sexo fora de casa sem preservativo, o que me deixou um pouco envergonhada, afinal, sou médica, e deveria dar o exemplo. Ele calmamente colocou a camisinha, que não encobria todo o pau, devido ao volume. Posicionou-me no tradicional papai-e-mamãe e começou a me penetrar, bem devagar. Eu me senti completamente preenchida, sentindo aquele pau enorme bater no colo do meu útero, o que me causava um pouco de dor, mas um prazer inenarrável. Aos poucos, ele aumentava os movimentos e eu já comecei a gozar dali. Era uma sensação que nunca tinha sentido em minha vida, pensava até ser mentira: orgasmos múltiplos, um após o outro! Ficamos naquela posição bem uns 20 minutos e ele incrivelmente não gozava!!!
Depois, ele me colocou de 4, me segurou pelos cabelos e começou a me penetrar por trás, me xingando de: puta, cachorra, vadia...e ao invés de me irritar, achava tudo maravilhoso! Ele dizia que eu era sua putinha, me ordenando chamar meu marido de corno. Nossa, fosse em outro momento, eu teria enfiado a mão na cara dele, mas na hora mandei ver, xingando o meu pobre maridinho que eu amo tanto. Mas isso, inexplicavelmente, me dava mais prazer ainda. Eu gozava como uma louca, berrava, urrava e ele metendo sem parar, até que uns 10 minutos depois, senti ele parando em cima de mim. De repente, senti uma onda de jatos que sabia ser de esperma, inundando minha vagina. Nossa, que sensação incrível! A temperatura quente era proporcional ao volume que saía, era muito esperma, não sabia que um ser humano pudesse ejacular tanto! Ele parou por um quase um minuto, gemendo alto, gozando em mim. Ele ainda não sabia, mas a camisinha havia rasgado. Ao retirar o pau de dentro (mesmo mole era maior do que o de meu marido), um desespero tomou conta do meu Gato Bom, que naquele instante voltou a ser um bebezinho assustado. Ele viu a camisinha rasgada! Falei para ele não se preocupar. Que era a primeira vez na vida que eu tinha outro homem, e que meu marido também se cuidava. Que meus exames estavam todos OK. Ele relaxou e pudemos curtir um momento de bom papo na cama. Enquanto isso, eu sentia escorrer pelas minhas coxas aquele volume espetacular de esperma: era caso para ser estudado pela ciência!
Fui ao banheiro me lavar, tirar o excesso, mas quando voltei, ainda havia esperma saindo. O pau dele já estava meia bomba e começamos a nos chupar num 69 delicioso, quando eu notei ele maliciosamente lamber meu ânus. Fui deixando para ver onde iria dar aquilo. De repente, a língua dele circundava meu cuzinho virgem, ao mesmo tempo em que descia para minha xana. Gozei na hora! Ele me botou deitada de costas e começou a chupar meu pescoço enquanto ele colocava a camisinha outra vez. Perguntou se eu gostava de sexo anal. Disse que não! Que meu marido tentava isso há 30 anos, mas que doía horrores e nunca chegou a me penetrar. Ele com um olhar sacana, riu e disse que iria me tirar a virgindade ali, na hora. Relutei, afinal o caralho dele dava dois do meu querido marido. Ele calmamente me colocou deitada sobre um travesseiro, o que fazia com que minha bunda ficasse meio arrebitada. Começou a chupar meu ânus de novo, dessa vez penetrando a ponta da língua. Não agüentei: tive meu primeiro orgasmo anal. Ele, então, posicionou a cabeça do cacete na entrada do meu ânus. Disse para eu não ter medo, pois o pau não estava totalmente duro. Lambuzou um lubrificante e começou a meter bem devagarzinho. Fui sentindo aquilo me abrindo, sentia um misto de dor e prazer. A dor era suportável, mas o prazer era bem maior. Aquele caralhão de um moço 20 anos mais jovem ía entrando todo no meu cu. Incrível! Quando ele penetrou completamente, senti o maior prazer de minha vida: Aquele colosso endurecendo dentro de mim! Gozei sem ele precisar fazer qualquer movimento. Então, ele começou o vai e vem, bem devagar. O meu ânus foi relaxando e comecei a sentir o maior prazer da minha vida: gozando no sexo anal. Depois de tanto eu gozar, ele retirou a pica do meu cu e começou a meter de novo na boceta, dessa vez sem preservativo. Eu estava completamente apaixonada por aquele moço misterioso (até então não sabia o seu nome, somente o apelido: Gato Bom). Ele me comeu em todas as posições.
No final, me comeu em cima da mesa onde começamos e mais uma vez pude sentir aquela sensação maravilhosa de tanto esperma inundando minha vagina. Tomamos banho, nos vestimos e fomos embora. Naquela noite, ao me deitar, estava completamente dolorida. Tive que tomar buscopam, pois cólicas terríveis me atacaram. Estava dolorida, mas, completamente satisfeita com aquele prazer que aquele homem, 20 anos mais jovem, tinha me proporcionado. Pela manhã, ao acordar, notei que minha cama estava toda melada do esperma que ainda corria por minhas coxas. Era o cheiro dele, o cheiro do meu Gato Bom que invadia o meu leito conjugal. Masturbei-me logo após o meu marido sair para o trabalho, pensando na tarde anterior. Trepamos ainda por mais 3 vezes, sendo uma delas na minha própria cama, uma loucura que conto depois. Faz 1 ano que perdi o contato dele, tenho saudades. 

Um comentário:

  1. É isso minha querida pro prazer nao tem idade aproveite

    ResponderExcluir